Mary tinha um carneirinho que era branco como a neve, Mé Méé carneiro negro, você tem lã?

Imagine Thomas Alva Edison saltitando e cantando essa música. Bem, você não precisa imaginar, isso aconteceu mesmo. Essa foi a primeira gravação sonora feita e reproduzida da história. Pelo menos é assim que reza a lenda.
Tudo começou em 1806 o físico Thomas Young conhecido pelos seus trabalhos no campo da elasticidade, consegue inscrever num cilindro revestido a negro de fumo as vibrações dos sons. Usado um pouco da idéia de Young, o primeiro cara esboçar alguma idéia de gravação sonora "física" foi Léon Scott em 1857, quando estudava as características do som. Ele teve a ideia de gravar o som como uma série de linhas sinuosas. O seu aparelho era constituído por um funil com uma membrana esticada na extremidade estreita, no centro desta membrana estava fixada uma cerda de Porco, o estilete. Conforme o som era captado pela membrana que vibrava, o estilete ia marcando um cilindro de papel de fumo - Sim fumo, você queria o que? Vejam que eles não tinham muito a disposição na época e a criatividade fazia tudo. O único problema da nossa invenção até agora é que ela não reproduz nada, só grava. Edson veio para resolver o problema.
Em 18 de Agosto de 1877, o nosso caro Thomas - o mesmo cara que inventou a lâmpada - conseguiu construir o primeiro aparelho que reproduzia sons - Usando da idéia dos inventores anteriores -. Para reproduzir ele usou de uma idéia semelhante a da gravação, ele trocou o estilete por uma agulha e a colocou no começo das espirais. Quando girava-se o cilindro - com uma manivela -, as vibrações inscritas no sulco eram captadas pela agulha que transmitia ao diafragma e ao cone, permitindo assim a audição dos sons previamente gravados.



Vua-lá, de boas vindas ao Fonógrafo. Mais tarde o papel de fumo foi trocada por uma folha de estanho, a essas alturas, o estilete de gravação já havia sido separado do da reprodução.

Vejam o marketing do cara


Anos depois, então o cilindro foi trocado por um disco e surgiu o vinil. Depois a vieram as fitas magnéticas. Depois voltamos a disco denovo - CD - e depois, quer dizer agora, basicamente voltando a uma origem magnética novamente - um pouco diferente - que são os mp3 players. Sempre aperfeiçoando a coisa.

Uma coisa interessante. Muitos não sabem, mais o som, a qualidade de reprodução de um vinil é superior da do cd. Ele consegue reproduzir mais ondas sonoras, particularmente diferenças entre os graves e agudos. Há quem diga que o vinil tem ainda um som mais aveludado.
Do cd para o MP3 também há diferenças, e muito maiores do que do vinil para o cd. Como funciona o MP3? A idéia básico do mp3 é que ele retira a faixa de freqüência que nós não escutamos normalmente. Você pode notar pouca diferença, mas o seu cão, gato, passarinho, seu animal de estimação notará por conseguir ouvir essas freguências.

A qualidade da música fica basicamente assim:
Vinil > CD > MP3 - Vinil melhor que o cd, que é melhor que o Mp3 ( ou OGG como preferir).


Fontes:
Do rolo de cera ao vinil | AMINHARADIO
Unicamp - Sala de Imprensa
AMINHARADIO | Uma paixão chamada
BioMania - O melhor Portal Biológico da Internet

0 comentários:

Post"s Relacionados




Recomendamos