Aura existe? Cientificamente falando?

O título foi provocativo, de propósito. A "aura", luz mística que fica ao redor do nosso corpo, perceptível apenas por pessoas especiais é apenas uma crença. Porem, - este blog é cheio de "poréns", a ciência descobriu algo interessante.


Um estudo que foi publicado recentemente, e que ainda rola por aí, revelou que o corpo humano emite uma fraca luz que varia ao longo do dia. A luz é particularmente forte no rosto, na região da boca e bochechas e tem seu máximo de emissão ao redor das 4 h da tarde.(Meiobit)




A luz é muito, muito mais fraca que bioluminescências apresentadas por vagalumes, por exemplo, mas é uma achado. As reações químicas feitas dentro do nosso organismo emitem luz imperceptível aos olhos humanos, o que não é novidade para o mundo ciêntifico.

Para se medir nosso brilho interior, mais de mil vezes mais fraco do que nossos olhos conseguem detectar, foi necessário usar uma câmera CCD com resolução de 2048 x 2048 pixels resfriada a -120 oC que permite a contagem de fótons. A baixa temperatura diminui o ruído gerado pelo equipamento eletrônico, permitindo a detecção do sinal. A câmera ainda contava com um conjunto de lentes especiais para maximizar a coleta de fótons.


Interessante, bem interessante. Segue aqui o link original em inglês.

Se você é cético a respeito de brilho exterior, saiba que algumas pessoas até já patentearam uma máquina de visualizar auras. Aqui. E tem todos os detalhes da construção.

Por ultimo, se você, de alguma forma conseguir ver as auras, tem um artigo que explica cada uma das cores delas.

O que eu acho? Não sei, fico esperando alguém provar alguma coisa. Nunca se sabe!

0 comentários:

Post"s Relacionados




Recomendamos